CIUME... AMOR OU DESAMOR?

 


CIUME... AMOR OU DESAMOR?
Marcial Salaverry

Para falar de ciume, é preciso usar de muita lucidez, destacando as principais facetas desse sentimento que destrói tantas relações, e que chega muitas vezes à obsessão mais destrutiva possível, podendo-se considerar que o ciúme, é inveja do amor, pois quem entra na paranóia do ciúme, realmente não ama de verdade.
Quer é ser dono do outro, ter todo o controle sobre, não só o corpo, mas também sobre o pensamento, como se fosse possível controlar o pensamento de alguém.
As pessoas ciumentas julgam ter o poder de penetrar no pensamento de suas "vítimas". Por isso sempre estão vendo traições nas relações mais inocentes. O simples fato de ver o parceiro conversando com alguém, já é motivo para desencadear uma cena de ciúme, as vezes, violenta.
Vê maldade em tudo. Vê duplo sentido nas frases mais inocentes.
Sua imaginação sempre o está levando às mais torpes intenções em qualquer gesto.
Basta um simples olhar e já imagina sinais de encontros fortuitos. É dose aguentar uma pessoa ciumenta, pois sempre desconfia que o outro ama alguém, e não admite isso, chegando a sentir inveja desse amor. Na verdade, pode-se amar
outras pessoas, sem que se possa falar em traição.
Se a relação com o parceiro é linda, não haverá motivos para traição...
Esse outro amor pode ser administrado, pode ser um inocente amor de amigos, nada além disso: "amizade", algo  que é muito lindo,  e essa relação tem que ser consentida, mesmo entre pessoas de sexos diferentes, pois pode perfeitamente existir um relação de amizade homem/mulher, sem que haja sexo envolvido.
Mas o ciumento não aceita isso. Quer ser o dono absoluto dos atos e pensamentos de sua parceria. Vê segundas intenções em tudo e em todos. Não acredita que possa haver uma relação de boa amizade.
Um simples aperto de mãos já passa a ser um código secreto.
Na verdade, não é da parceria que desconfia, é de si proprio, pois para que haja a traição, certamente o ciumento estará se julgando inferior na comparação. E realmente, se inferioriza, devido à falta de auto confiança.
E assim vai infernizando a vida de todos.
Interessante que a maior parte das pessoas acha que ciúme é sinal de amor, deixando assim esse sentimento crescer,
chegando muitas vezes a incentiva-lo, como se fosse prova de amor.
Daí a tendência de se absolver os autores de crimes passionais, principalmente se a vítima for mulher, diz-se que os homens agem "em defesa da honra".
Essa questão de se julgar os famosos "crimes de honra", como que justificando o fato de alguém matar um seu
semelhante só porque foi traído, é algo que beira as raias do absurdo. Como se o ato de tirar a vida de alguém possa ter alguma justificativa. Só existe duas condições em que a Justiça (pelo menos a dos homens) pode relevar o ato de se tirar a vida de alguém... A legítima defesa da própria vida, e durante a guerra.
Mas... matar "por amor", é algo inconcebível. Quem ama, nunca pode matar.
Se houve traição, só existem dois caminhos, ou o perdão, ou o fim do relacionamento, mas nunca matar.
 Em que mundo vivemos?
Realmente é muito difícil a convivência com uma pessoa ciumenta, pois elas sempre conseguem infernizar a vida, não só dos parceiros, como de todos, com suas suspeitas descabidas. E se as suspeitas forem reais, então é hora de repensar seu relacionamento, pois algo nele vai errado.
Está faltando amor de um dos dois lados, ou de ambos, pois se realmente houvesse amor, não haveria um ciúme exagerado, que denota uma total falta de confiança, em si, e no parceiro.
Nesses casos cabe o famoso "vamos parar o mundo, e ver o que está acontecendo" .
Tem que haver muito diálogo, para acertar-se a situação, de uma ou de outra maneira, mas nunca pela violência.
Basicamente, é necessário amar-se muito e ter muita confiança em si próprio, e é  esse é primeiro grande passo para uma boa convivência.
É preciso sempre nos cuidarmos, confiando em nós mesmos, para confiar no outro.
E para nossa boa convivência, desejo a todos UM LINDO DIA.

 

Marcial Salaverry


[Voltar]

© Copyright Prosa & Poesia - Direitos Autorais Reservados