QUESTÕES DE AMOR

 

Sem qualquer sombra de dúvida, este é um dos assuntos mais polêmicos que existe, pois envolve algo que é regido mais pelas emoções do que pelo raciocínio.

Muitas vezes o amor cega as pessoas, impedindo-as de discernir adequadamente.

O fato de gostarmos de alguém, seja por uma amizade, ou por amor, as vezes contraria toda a lógica do mundo. Gostamos e pronto. Por quê? Ninguém explica.

Todavia, para as questões do coração existe um perigo enorme se nos envolvemos com alguém que acabe ferindo nossos sentimentos, e isso, convenhamos, para ser evitado, há que se usar muita ponderação.

Por incrível que pareça, o impulso da paixão é a coisa mais perigosa que existe, pois nos leva por vezes a atitudes impensadas, com algumas possibilidades de "quebrarmos a cara".

Portanto, antes de "cairmos de quatro" por alguém, sempre é necessário algum conhecimento firme sobre a personalidade da pessoa, para saber se é realmente a famosa "outra metade da laranja".

A paixão é má conselheira. Sempre devemos ouvir a voz da razão antes de nos ligarmos a alguém.

Nunca se esqueçam de que para que um relacionamento possa frutificar, os parceiros devem justificar o nome, serem parceiros. Devem complementar-se mutuamente.

Num relacionamento maduro, o outro deve ser um acréscimo, e nunca um complemento.

Claro. Você deve completar o seu amor, e não simplesmente complementá-lo abdicando por isso de sua personalidade.

Por vezes, um dos parceiros acredita que cedendo totalmente à vontade do outro, será a melhor maneira de uma boa convivência.

Mas não é por aí. As "regras" que devem reger uma boa convivência seguem outros caminhos. O que deve haver é um acerto, uma espécie de acomodação de personalidades, devendo cada qual ceder um pouco em nome de uma boa vida a dois.

Não se esqueçam de que uma personalidade muito tempo sufocada, um dia se rebela, e reage contra a dominação, com conseqüências nada boas.

A regra básica (se é que pode haver alguma regra), tem que ser regida pelo bom senso.

Os direitos e os deveres devem ser divididos. Ambos devem ser companheiros, caminhando lado a lado.

Li outro dia algo que reforça bem esse aspecto. É uma parábola comparando o casamento, ora com o frescobol, ora com o tênis, que é muito interessante. Resumidamente, o frescobol é um esporte em que parceiros se completam, um procurando facilitar as coisas para o outro, visando manter a bola o mais possível no ar. O tênis, contudo, é um esporte de um contra o outro, visando dificultar ao máximo a situação do adversário.

Assim são as coisas no casamento, nas questões do amor. Quando os parceiros formam uma dupla que pretende "manter a bola no ar" o maior tempo possível, as uniões podem ser duradouras e gostosas. Se, todavia, são adversários, cada qual procurando mostrar sua superioridade, aí a coisa pode se complicar.

Volto a bater numa tecla que já está ficando gasta. O que nunca pode faltar num relacionamento maduro (não se pode deixá-lo apodrecer), é o DIÁLOGO. Através dele, uma feroz partida de tênis, pode se transformar em um gostoso jogo de frescobol.

Bem...não me considero dono da verdade, ou coisa parecida. Simplesmente com base na experiência e nas observações feitas creio-me habilitado a dar alguns palpitezinhos sobre a vida. Enfim...

 

Uma jovem, nada interesseira, elogiando as qualidades de seu namorado, feio e mais velho: O que me agrada nele, são as pequenas coisas, ou seja, seu pequeno iate, sua pequena fazenda, sua pequena casa de praia, e sua pequena conta bancária...

 

Marcial Salaverry


[Voltar]

© Copyright Prosa & Poesia - Direitos Autorais Reservados