FICÇÃO OU REALIDADE

 


Por vezes podemos tentar transformar uma triste realidade,
numa alegre ficção... Imaginar não custa nada...
Osculos e amplexos,Marcial
FICÇÃO OU REALIDADE
Marcial Salaverry
 
Transformar a ficção em realidade, com certeza,  seria uma maneira de viver a vida bem diferente do que ela realmente é, pois poderiamos assim realizar algo que sem qualquer sombra de dúvida, é um de nossos maiores desejos, ou seja  “consertar o mundo”, acabando com as mazelas que os homens insistem em criar.
Existe tanta coisa errada sendo feita por aí.  Tantas maldades praticadas impunemente, seja contra pessoas, seja contra a Natureza, e na maioria das vezes o máximo que podemos fazer é nos indignarmos contra esse estado de coisas, e desejar que os culpados sejam punidos. A triste realidade, é que quase nunca o são, seja porque as leis são muito brandas, seja porque a corrupção e a incompetência são obstáculos praticamente intransponíveis para o chamado  "longo braço da lei”, que geralmente é maneta, e que na ficção poderiamos mudar esse estado de coisas, ou as coisas que deixam tudo nesse estado.
Assim, resta-nos fantasiar a realidade, e colocarmos o imaginário para trabalhar, pensando em como poderia ser essa realidade, em que os culpados deveriam ser punidos, provando do amargo remédio que “fabricam”.
Por exemplo, a melhor punição para os poluidores de nossos rios, seria obriga-los a um longo mergulho, para que eles sentissem na própria pele o que os infelizes peixes sentem em suas escamas. Assim, eles poderiam sentir como é triste ver os animais tentando respirar sem conseguir.  Aos que promovem as queimadas em nossas matas, deixa-los em meio a um incêndio, para que sintam o que se sentem aqueles que estão acuados em meio às chamas causadas deliberadamente.
E assim com todas as iniquidades que vemos impunes. Seria uma realidade dura para eles, mas que, em sobrevivendo, certamente não mais repetiriam.
Certamente não nos faltarão idéias para imaginar as punições adequadas para cada crime cometido.  Seria desenterrar a velha Lei de Talião (olho por olho, dente por dente).
Existem, contudo, certos crimes para os quais seria difícil imaginar punições adequadas, pois são crimes cometidos contra a alma das pessoas.
Como exemplo, podemos lembrar certos erros médicos que causam danos irreparáveis. Além daqueles cometidos durante uma cirurgia, que podem ser atribuídos à falibilidade humana, existem erros mais sérios ainda, por exemplo, ao elaborar um laudo, o médico nunca pode esquecer de que o que ele anotar poderá modificar completamente uma vida, portanto, deve usar o máximo critério, analisando cuidadosamente os dados colhidos em um exame.  Não poderá ter pressa e nem incúria nesse diagnóstico, pois um tratamento inadequado feito com base em seu laudo, poderá, não apenas causar mais sofrimento ao paciente, mas levar sua vida.
Qual poderia ser a punição adequada para esse mau profissional? A simples retirada de seu CRM, talvez já o puna adequadamente.
Existe um sem número de exemplos, em que fantasiar a realidade talvez seja o melhor, pois a realidade parece ser tão fantasiosa que extrapola nosso imaginário.  A criatividade com que políticos corruptos “explicam” suas falcatruas, por exemplo.  Haja imaginação. Por exemplo, aqueles que justificam o peculato cometido, alegando que foi "ajudado por Deus". Pobre Amigão, virou cúmplice de político corrupto.
Talvez seja por isso que as novelas entraram tanto no gosto popular.  Geralmente nossos autores usam e abusam da criatividade, sempre fantasiando a realidade, mostrando na telinha a vida como ela deveria ser.  Com os maus sendo punidos no fim, e os bonzinhos sendo premiados.  Como é fácil para alguém regenerar-se.  Como é gostosa a vida.  Sempre há um jeito pra tudo.  Como seria linda se assim fosse a realidade.
Assim poderemos fazer.  Se nosso desejo for por uma viagem, podemos deixar nossa imaginação sair voando por aí, e faze-la sem sair de nosso sofá, bastando atravessar uma porta mágica. Se amamos alguém que não temos por perto, usando bem a força do pensamento poderemos sentir sua presença, e se facilitar, até o cheiro, até o arrepio de sua pele ao nosso toque.
Não custa fantasiar a realidade, e até ajuda um pouco a viver, a encarar a verdade nua e crua.
Vivemos, na realidade, num mundo cheio de inveja, de cobiça, de maldade, de pessoas que adoram prejudicar seus semelhantes.  E seria bom demais se fosse diferente. Se esses “defeitos de fabricação” que certas pessoas apresentam não existissem.
Enfim... Não custa sonhar, idealizar, imaginar... Imaginemos, por exemplo, UM LINDO DIA.
 

 

Marcial Salaverry


[Voltar]

© Copyright Prosa & Poesia - Direitos Autorais Reservados