OS NOVOS DON QUIXOTES

 

Há algum tempo atrás, um colega meu de bancos escolares, resolveu escrever um romance épico, contando a história de alguém que clamava pela justiça, e que procurava o amor. Claro, que uma fábula, porque figuras assim não são facilmente encontráveis.
Esse meu amigo atendia pelo nome de Miguel de Cervantes Saavedra, e o livrinho que escreveu, recebeu o nome de Don Quixote de la Mancha. Não sei se muitos ouviram falar, pois foi escrito há apenas 400 anos, mas seu lançamento foi mostrado pela Globo, com narração do Cid Moreira.
Estou relembrando, porque venho notando que estão surgindo alguns Quixotes e Quixotas por este mundo afora, e que também clamam por paz e justiça, e procuram o amor.
São poetas e escritores que galhardamente procuram através de seus escritos, acender uma luz, por pequena que seja, dentro da consciência desta humanidade que parece mais empenhada em se destruir do que em sobreviver.
Como Don Quixote, que seguido por seu fiel escudeiro Sancho Pança, de lança em riste enfrentava terríveis inimigos, atacando quantos moinhos de vento surgissem pelo caminho, esses Quixotes de hoje, seguidos por seus fiéis leitores, usam a lança de suas palavras, enfrentando a incompreensão de muitos que acham bobagem falar em paz e amor, que são coisas do tempo de Cervantes, e estão completamente fora de moda.
O que realmente importa, em sua maneira de ver, é força do poder, que deve ser conseguido a qualquer custo.
São esses os moinhos de vento que temos de enfrentar. Simplesmente a ganância e sede de poder. A ambição maior desses moinhos, é seguir sempre girando suas pás, derrubando todos aqueles que cruzarem em sua frente. Esquecem-se de que depois que derrubarem o último obstáculo, nada restará para comandar. De que valerá então o poder conquistado?
Don Quixote jamais conseguiu reunir-se à sua Dulcinéia porque não conseguiu destruir os moinhos que enfrentou, mas ele não desistiu, e tentou até o fim. Mas sempre escutava as zombarias do populacho que apenas achava ser ele um pobre louco, sem entender o real significado de sua inglória luta contra os empedernidos moinhos. Não entendiam que na realidade, ele enfrentava a incompreensão e a falta de humanidade.
Os Quixotes modernos, apesar de enfrentar os mesmos problemas, tendo que lutar contra os mesmos inimigos de Don Quixote, tem um apoio maior de seus “Sancho Pança”, que começam a dar maior apoio, repassando seus escritos, dando ênfase aos clamores de paz.
Sempre insistindo, e contando com o apoio de atuantes Dulcinéias que, ao contrário da real Dulcinéia, que se limitava a lamentar as derrotas de seu amado, estas arregaçam mangas e acompanham os Quixotes em sua luta, colaborando para a divulgação de seus feitos.
Podemos inclusive notar que atualmente existem Quixotes e Quixotas, existem Sanchos e Sanchas, e existem Dulcinéias e Dulcinéios.
Só precisa haver uma união maior entre todos, e, entrando no espírito quixotesco da coisa, vamos de mãos dadas, com união, enfrentar os moinhos de vento. Quem sabe conseguiremos vence-los... Vamos tentar? Para isso será necessário superar certas disputas internas, certas quizílias que acabam dividindo os quixotes, ao invés de uni-los. E para encarar os terríveis moinhos de vento, não podemos fazer como o velho Don Quixote, que os enfrentava só, armado apenas com sua lança.
Mas isso me parece quixotesco demais, pois os moinhos particulares chamam-se vaidade, orgulho e aí, a coisa complica.
Não podemos é desistir. Claro que derrubar os moinhos é tarefa por demais complicada, pois os nossos moinhos são representados pelos lideres mundiais que apenas se deixam levar pela sede de poder e pela ganância de cada vez querer mais poder, mesmo sem poder. Então procuram destruir o que está feito, para enfraquecer a humanidade.
Coisa de doidos mesmo essa insana luta contra a Paz.
Para não desanimar os Quixotes, vamos começar conseguindo nossa paz interior, e procurar transmiti-la com UM LINDO DIA.

Marcial Salaverry

Ao texto, acrescento um texto enviado por minha querida amiga L'Inconnue, que complementa o texto de forma muito brilhante...

  "Um poeta que escreve para humanidade,

 se não atingir todos seus objetivos,

 no mínimo conseguirá um bem a todos,

Talvez o maior bem, que é esperança, força e coragem

 para não desistir e sempre acreditar que vale a pena lutar,

 mesmo apenas com esta  "pequena luz", 

que é a força da palavra escrita.

O problema é que muitos ainda não acreditam,

 e escrevem para eles mesmos, ou entre eles.

Se cada um usasse mais este dom divino

em prol da humanidade,  com certeza não estaríamos tão longe da Paz e felicidade tão desejada...

Porque se não podemos mudar totalmente o mundo,

podemos viver com mais esperança dentro do coração..."

 

Marcial Salaverry


[Voltar]

© Copyright Prosa & Poesia - Direitos Autorais Reservados