EXPERIÊNCIA DA VIDA

 

EXPERIENCIA DE VIDA

Marcial Salaverry

A experiência de vida nos traz uma grande vantagem. Se soubermos olhar para trás, percebendo quais foram os erros cometidos, não mais os repetiremos.

Se soubermos transmitir essa experiência aos jovens que se disponham a aceitá-la, podemos mesmo aplainar um pouco seu caminho.

Claro que eles tem o direito de cometer seus próprios erros, forjar sua própria experiência.

Se eles se limitarem a ouvir a "voz da experiência", sem usar seu discernimento, serão criaturas amorfas, incapazes de conduzir o próprio destino.

Encontrei um pensamento muito bacana feito por um garoto, que como eu, amava os Beattles e os Rolling Stones, mas não pegou em nenhuma metralhadora. Sua arma era o cérebro e uma caneta. Chamava-se Victor Hugo e, entre muitas outras jóias, legou-nos esta:

"O fogo vê-se nos olhos dos moços, mas nos olhos dos velhos vê-se a luz".

Vejam, o grande sentido que ele colocou na frase: nos olhos dos velhos vê-se a luz. Luz que pode permitir que os experientes iluminem o caminho para os mais jovens.

Luz que pode permitir que os pais mostrem mais claramente o caminho para os filhos, mas não que determine o caminho a ser seguido.

Luz que sabiamente usada permitirá que os mais jovens errem menos. Mas devem errar, sim. Se nós errando, chegamos até aqui, porque tirar-lhes esse direito?

Pois se quisermos fazer o caminho em seu lugar, se quisermos determinar o caminho que eles devem seguir, apagaremos "o fogo de seus olhos". Esse fogo tão necessário para que eles lutem, procurem vencer e atinjam seus objetivos.

Uma velha máxima que diz que se deve ensinar a pescar, ao invés de dar o peixe, é muito válida ainda nos dias de hoje. O grande problema de se aplainar o caminho dos jovens, é que é muito fácil acostumar-se às facilidades que lhes são oferecidas e, quando tiverem de enfrentar a vida com seus meios... não saberão pescar, e ficarão esperando o peixe que lhe era servido já frito e temperado.

Eles devem sempre ter presente que podem contar com o apoio em caso de necessidade, mas que devem aprender a enfrentar o mundo usando de seus recursos próprios.

Aceitem as decisões dos jovens, mas com discernimento. Vendo que eles estão errados, o mais certo é apontar-lhes o erro e até mesmo ensiná-los a corrigir esse erro, se esta for sua vontade.

Bem, como sou muito jovem ainda, se estiver errado, corrijam-me. Mas permitam-me o direito de errar. Ainda tenho muito tempo para aprender...

 

O juiz pergunta a idade de uma senhora, que responde : 30 anos. Não é possível, retruca o Juiz, há três anos a senhora já dizia ter 30 anos... É que não sou dessas pessoas que dizem uma coisa hoje, e outra amanhã...

 

Marcial Salaverry


[Voltar]

© Copyright Prosa & Poesia - Direitos Autorais Reservados